quarta-feira, 19 de novembro de 2008

Não bata, eduque!




Hoje, 19 de Novembro, Dia Mundial para a Prevenção do Abuso de Crianças! O abuso de crianças não é somente violência sexual... qualquer tipo de violência, principalmente a doméstica, o bullying (intimidação) na escola e por aí vai.

Perigoso os pais, exemplos dos filhos, pensarem serem donos da criança e que ela deva fazersomente o que eles querem. Quem se recorre de "inocentes" palmadinhas, não sabe o que é educar.

Na vida tudo se aprende... a ler, a escrever, a se comportar... estudamos na escola, na universidade...por que, para criar os filhos, não temos que estudar? Há um mito de que isso não se aprende... isso é instinto... BATER é instinto... Não bater não significa ser um pai ou uma mãe "banana". Segundo Içami Tiba, psiquiatra e educador, os pais não têm o conhecimento necessário para educar os filhos, recorrendo a erros como falta de imposição de limites e superproteção. Ou exageram pra 8 ou exageram pra 80. Uma frase que concordo muito é que o equilíbrio está no meio termo.

Como irei ensinar ao meu filho que bater é errado? "Não se deve bater no coleguinha" e lasco o pau na coitada da criança. As crianças aprendem mais com o exemplo que com a palavra dada. Fazendo isso você ensinará que pode bater sim, nos menores, como você faz com ele, que não tem como defender-se diante de um adulto poderoso e que não se pode confiar na sua palavra. Depois de 10, 15 anos, não será de se admirar que os seus conselhos entrarão por um ouvido e sairão pelo outro. Que ele confie muito mais na palavra dos da rua que dos de casa. Ainda segundo Tiba, os pais não devem ser amigos dos filhos. Isso mesmo. Suas palavras: "Esse negócio de amizade é algo muito falso. Dizer que os pais são os melhores amigos do filho é mentira, pois eles não saem juntos para as baladas e não ficam 'segurando vela' para o filho sair com uma garota. Pais e filhos devem ser companheiros, devem compartilhar e dividir coisas que não se faz com ninguém. Amigo é amigo. Não tem essa dos pais serem amigos dos filhos, tem que ser companheiro."

"Ah, mas eu sempre apanhei da minha mãe e não virei marginal!" - alguém pode dizer. Eu também já andei no banco da frente do carro, sem cinto, no colo da minha mãe e nunca morri. Nem por isso farei o mesmo com o meu filho.

Sugiro às pessoas que pensam assim que leiam "Quem ama, Educa!" do já citado Içami Tiba e "Limites sem trauma - construindo cidadãos", da Tânia Zagury ou seus artigos. Sugiro que leiam o artigo "Auto estima e limites".

Hoje, dia de blogagem coletiva!!! Bandeira levantada na comunidade Pediatria Radical do orkut.

3 comentários:

ModeradorasPR disse...

>
Bandeira branca, parabéns!

Poly Magdalla disse...

vamos lutar contra a violência,ontem nem deu tempo de postar nada...bjsssssssssss

João o Astronauta disse...

Muito bom o texto! Parabéns!!

E muito fofo teu Mateus. Bjs

Flavia
http://joaoastronauta.blogspot.com